Zumbido no ouvido: quando devo me preocupar?

por nov 27, 2020Uncategorized2 Comentários

O zumbido no ouvido é um barulho agudo ou grave que a pessoa escuta sem que haja nenhuma fonte sonora. O sistema auditivo tenta compensar a falta de estímulo e o resultado é o incômodo, que tende a acometer pessoas de todas a idades, e pode ser indicativo de algo mais sério, por isso merece atenção. 

Devo me preocupar com o zumbido no ouvido?

Um estudo conduzido pela Associação Americana de Zumbido apontou que cerca de 20% da população mundial convive com o problema. Entre idosos, esse percentual aumenta para 25%. Na maioria dos casos, o zumbido ocorre pela exposição por longos períodos a ambientes com alto ruído, que podem destruir as células do ouvido. 

Embora nem sempre este sintoma indique um problema sério, é muito importante procurar ajuda médica, em especial se o caso for recorrente.

Veja quais fatores podem gerar o zumbido no ouvido:

Acúmulo de cera

A cera acumulada pode infeccionar o canal, provocar coceiras, dores e o zumbido. Se for este o caso, não é recomendado fazer a limpeza da parte mais profunda do ouvido ou usar cotonete. Apesar de parecer simples, é necessária a intervenção médica. 

Dores no pescoço

Dores na região cervical (pescoço) provocadas por tensão, ansiedade ou hipertensão fazem com que o organismo libere substâncias que estimulam a redução da dor. Entretanto, essa ação também afeta as vias auditivas. Fisioterapia e massoterapia atenuam as dores, cessando o  zumbido. 

Diabetes

A diabetes pode trazer consequências sérias caso os níveis de insulina não forem regulados. Ocorre que esse excesso prejudica os estímulos elétricos das vias neurais que levam informação do sistema auditivo ao cérebro. O resultado é o zumbido, mas a consequência pode ser a perda da audição se a doença não for tratada. 

Doenças cardiovasculares

Assim como a diabetes, doenças cardiovasculares como hipertensão prejudicam a irrigação dos vasos sanguíneos do sistema auditivo. Como não chegam nutrientes suficientes até as células do ouvido, o organismo compensa a falta de estímulos com o zumbido. 

Depressão

A depressão altera os níveis dos neurotransmissores que agem na audição. Mais da metade dos pacientes que apresentam zumbido crônico também têm depressão ou ansiedade. 

Perda da audição

O zumbido também pode ser um indicativo da deterioração das células do sistema auditivo. 

Disfunção da ATM

O zumbido no ouvido é um dos sintomas mais comuns da disfunção da ATM, um distúrbio multifatorial que afeta a articulação que liga o crânio à mandíbula. O problema ainda causa dor orofacial e estalos ao abrir e fechar a boca.

Independente da causa, se o incômodo perdurar por mais de um dia ou ser recorrente (mais de uma vez no mês), o médico deve ser consultado, pois pode ser um evento que leva a perda de audição. 

O que fazer?

Não é recomendado esperar que o zumbido no ouvido passe sem tratamento ou conviver com ele. Esse barulhinho é sinal de algo não vai bem, como vimos, uma série de condições pode estar por trás do sintomas. Procure ajuda!

Vale reforçar a importância do diagnóstico médico, que é essencial para prevenir o agravamento do quadro e suas possíveis complicações. Somente um profissional experiente tem a capacidade de diagnosticar e tratar quaisquer patologias associadas ao zumbido no ouvido. 

zumbido no ouvido

2 Comentários

  1. Edith

    Tenho zumbido a mais de 8 anos .. é umchiaço insuportável . Como devo tratar já que não tem tratamentos de cura . Me ajudem por favor

    Responder
    • rodney capp

      Precisaria fazer exames para comprovar o porque disto e na sequencia realizar os tratamentos certos para seu caso, que já foi aprovado pela comunidade científica internacional

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais posts

Parestesia tem Cura?

Parestesia tem Cura?

Você já se perguntou se a parestesia, aquela sensação de formigamento, dormência ou queimação em partes do corpo, tem cura? A boa notícia é que, na maioria dos casos, a parestesia é temporária e pode ser tratada com sucesso.